quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

FELIZ ANO NOVO para todos os nossos visitantes e o público em geral!


glitter-graphics.com

SÃO SILVESTRE

São Silvestre era natural de Roma e governou a Igreja de Deus do ano 314 a 335. A conversão de Constantino e do Edito de Milão modificarão os destinos da Igreja. São Silvestre estabeleceu as bases doutrinais e disciplinares, que requeriam a Igreja em um novo contexto social e político em que o cristianismo se tornava a religião oficial do Império Romano. Os cristãos já não eram mais perseguidos e repudiados, podendo professar a sua crença abertamente. E mais ainda, o próprio Imperador tomava a iniciativa de construir as primeiras basílicas, onde o povo pudesse se reunir por ocasião das grandes solenidades.

Se, por um lado, a tolerância religiosa contribuiu para a consolidação do catolicismo, por outro empanou a figura de São Silvestre, abrindo um precedente e um difícil entrosamento entre a Igreja e o Estado. Esta aliança se explicava por força das circunstâncias do tempo, quando a Igreja saía de um período de perseguição que já se arrastava há 250 anos.

Foi sob São Silvestre que se realizou o primeiro Concílio Ecuménico da história da Igreja - o Concílio de Nicéia, em 325 -, onde se definiu a divindade de Cristo. E o curioso é que este concílio foi convocado pelo imperador Constantino, tal era a influência nos assuntos eclesiásticos. São Silvestre foi um dos primeiros santos não-mártires cultuado pela Igreja.

domingo, 27 de dezembro de 2009

EARTH SONG de Michael Jackson

O vídeo de 1996 foi o maior sucesso de Michael Jackson no Reino Unido, mas nunca foi lançado como single nos EUA, por causa da imensa poluição que há neste país.
Mesmo para quem não é ou foi fan do Michael Jackson e em tempos da Conferência sobre mudanças climáticas de Copenhagen falhada, deve ver este vídeo até ao fim!

Para ver e reflectir

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

NATAL

De sacola e bordão,o velho Garrinchas fazia os possíveis por se aproximar da terra. A necessidade levara-o longe de mais. Pedir é um triste ofício, e pedir em Lourosa, pior. Ninguém dá nada. Tenha paciência, Deus o favoreça, hoje não pode ser – e beba um desgraçado água dos ribeiros e coma pedras! Por isso, que remédio senão alargar os horizontes, e estender a mão à caridade de gente desconhecida, que ao menos não se envergonhasse de negar uma côdea a um homem a meio do padre-nosso. Sim, rezava quando batia a qualquer porta. Gostavam… Lá se tinha fé na oração, isso era outra conversa. As boas acções é que nos salvam. Não se entra no céu com ladainhas, tirassem daí o sentido. A coisa fia mais fino! Mas, enfim… Segue-se que só dando ao canelo por muito largo conseguia viver.
E ali vinha de mais uma dessas romarias, bem escusadas se o mundo fosse doutra maneira. Muito embora trouxesse dez réis no bolso e o bornal cheio, o certo é que já lhe custava arrastar as pernas. Derreadinho! Podia, realmente, ter ficado em Loivos. Dormia, e no dia seguinte, de manhãzinha, punha-se a caminho. Mas quê! Metera-se-lhe em cabeça consoar à manjedoira nativa… E a verdade é que nem casa nem família o esperavam. Todo o calor possível seria o forno do povo, permanentemente escancarado à pobreza. Em todo o caso sempre era passar a noite santa debaixo de telhas conhecidas, na modorra dum borralho de estevas e giestas familiares, a respirar o perfume a pão fresco da última cozedura. Essa regalia dava-a Lourosa aos desamparados. Encher-lhes a barriga, não. Agora albergar o corpo e matar o sono naquele santuário colectivo da fome, podiam. O problema estava em chegar lá. O raio da serra nunca mais acabava e sentia-se cansado. Setenta e cinco anos, parecendo que não, é um grande carrego. Ainda por cima atrasara-se na jornada em Feitais. Dera uma volta ao lugarejo, as bichas pegaram, a coisa começou a render, e esqueceu-se das horas. Quando foi a dar conta, passava das quatro. E, como anoitecia cedo, não havia outro remédio senão ir agora a mata-cavalos, a correr contra o tempo e contra a idade, com o coração a refilar. Aflito, batia-lhe na taipa do peito, a pedir misericórdia. Tivesse paciência, O remédio era andar para diante. E o pior de tudo é que começava a nevar! Pela amostra, parecia coisa ligeira, Mas vamos ao caso que pegasse a valer? Bem, um pobre já está acostumado a quantas tropelias a sorte quer. Ele então, se fosse a queixar-se! Cada desconsideração do destino! Valia-lhe o bom feitio.Viesse o que viesse, recebia tudo com a mesma cara. Aborrecer-se para quê?! Não lucrava nada! Chamavam-lhe filósofo… Areias, queriam dizer. Importava-lhe lá.
E caía, o algodão em rama! Caía, sim senhor! Bonito! Felizmente que a Senhora dos Prazeres ficava perto. Se a brincadeira continuasse, olha, dormia no cabido! O que é, sendo assim, adeus noite de Natal em Lourosa…
Apressou mais o passo, fez ouvidos de mercador à fadiga e foi rompendo a chuva de pétalas. Rico panorama!
Com patorras de elefante e branco como um moleiro, ao cabo de meia hora de caminho chegou ao adro da ermida. A volta não se enxergava um palmo sequer de chão descoberto. Caiados, os penedos lembravam penitentes.
Não havia que ver: nem pensar noutro pouso. E dar graças!
Entrou no alpendre, encostou o pau à parede, arreou o alforge, sacudiu-se, e só então reparou que a porta da capela estava apenas encostada. Ou fora esquecimento, ou alguma alma pecadora forçara a fechadura.
Vá lá! Do mal o menos. Em caso de necessidade, podia entrar e abrigar-se dentro. Assunto a resolver na ocasião devida… Para já, a fogueira que ia fazer tinha de ser cá fora. O diabo era arranjar lenha.
Saiu, apanhou um braçado de urgueiras, voltou, e tentou acendê-las. Mas estavam verdes e húmidas, e o lume, depois de um clarão animador, apagou-se. Recomeçou três vezes e três vezes o mesmo insucesso. Mau! Gastar os fósforos todos, é que não.
Num começo de angústia, porque o ar da montanha tolhia e começava a escurecer, lembrou-se de ir à sacristia ver se encontrava um bocado de papel.
Descobriu, realmente, um jornal a forrar um gavetão e, já mais sossegado, e também agradecido ao céu por aquela ajuda, olhou o altar.
Quase invisível na penumbra, com o divino filho ao colo, a Mãe de Deus parecia sorrir-lhe.
Boas festas! Desejou-lhe então, a sorrir também.
Contente daquela palavra que lhe saíra da boca sem saber como, voltou-se e deu com o andor da procissão arrumado a um canto. E teve outra ideia. Era um abuso, evidentemente, mas paciência. Lá morrer de frio, isso vírgula! Ia escavacar o arcanho. Olarila! Na altura da romaria que arranjassem um novo.
Daí a pouco, envolvido pela negrura da noite, o coberto, não desfazendo, desafiava qualquer lareira afortunada. A madeira seca do palanquim ardia que regalava; só de se cheirar o naco de presunto que recebera em Carvas crescia água na boca; que mais faltava?
Enxuto e quente, o Garrinchas dispôs-se então a cear. Tirou a navalha do bolso, cortou um pedaço de broa e uma fatia de febra e sentou-se. Mas antes da primeira bocada a alma deu-lhe um rebate e, por descargo de consciência, ergueu-se e chegou-se à entrada da capela. O clarão do lume batia em cheio na talha dourada e enchia depois a casa toda.
É servida?
A Santa pareceu sorrir-lhe outra vez, e o menino também.
E o Garrinchas, diante daquele acolhimento cada vez mais cordial, não esteve com meias medidas: entrou, dirigiu-se ao altar, pegou na imagem e trouxe-a para junto da fogueira.
Consoamos aqui os três – disse, com a pureza e a ironia dum patriarca – A Senhora faz de quem é; o pequeno a mesma coisa; e eu, embora indigno, faço de São José.
( Miguel Torga)

sábado, 12 de dezembro de 2009

NOTÍCIA DA SEMANA

Vinte aldeias no Algarve mostram presépios
Cerca de vinte presépios tradicionais expostos em aldeias do interior algarvio vão poder ser visitados a partir de hoje (12.12.2009) ao abrigo de uma iniciativa da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve.
A exposição acontece pelo sexto ano consecutivo em várias aldeias de região e visa estimular a criatividade e recuperação as memórias das tradições populares ligadas à época natalícia, diz a CCDR/Algarve em comunicado. A rede de presépios pode ser visitada em vinte aldeias localizadas em dez conselhos algarvios: Albufeira, Alcoutim, Castro Marim, Faro, Lagos, São Brás de Alportel, Monchique, Silves e Tavira. Paralelamente, estará patente em Faro a exposição fotográfica "Tradições natalícias e presépios nas aldeias do Algarve", da autoria de Jorge Murteira.
DN -12.12.2009-

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

LENDAS DE PORTUGAL - XIV - MONÇÂO

Deu-la-Deu e os figos de ouro

O brasão de armas de Monção tem a figura de uma mulher. Trata-se de Deu-la-Deu Martins e comemora um acto de coragem praticado no tempo das guerras de Fernando de Portugal com Henrique de Castela. Figura lendária da nossa História, registamos o seu feito.
Deu-la-Deu era casada com Vasco Gomes de Abreu, capitão-mor de Monção. Pois ausentando-se este da sua praça, em serviço do rei de Portugal, D. Pedro Rodrigues Sarmento, adiantado da Galiza e general do rei de Castela, entendeu que aquela era a melhor altura para cercar a fortaleza fronteiriça. Mesmo em tais circunstâncias, utilizou um grande exército para a conquista, tanto mais que pretendia que acção fosse rápida e eficaz. Monção tinha então poucos soldados e escassos recursos, pelo que teve de enfrentar um cerco terrível. Porém, Deu-la-Deu assumiu o comando da praça com invulgar saber e desenvoltura, travando os ímpetos dos sitiantes. Ela era comandante e enfermeira, parecendo estar em toda a parte, galvanizando a vontade de resistência dos monçanenses. Porém, a verdade é que tudo escasseava já dentro das muralhas e isso feria o ânimo dos sitiados. E foi precisamente num desses momentos mais agudos de desespero, que a castelã mandou recolher os restos de farinha e fazer pães.Os monçanenses rejubilaram porque iam matar a fome. Assim, lambiam os beiços quando os pães saíram quentes do forno....
Mas Deu-la-Deu mandou levá-los ao alto das muralhas e de lá começou a lançá-los aos inimigos, gritando bem alto:
"Já que não podeis conquistar-nos pelas armas e pretendeis render-nos pela fome, cuidado! Graças a Deus, estamos bem providos de pão e como me parece que estais com falta dele, aí tendes esses pães para matardes a fome. Se precisardes de mais, é só dizer."
E com estas palavras lançou-lhes o último pão que havia em Monção, acentuando no íntimo a desgraça em que se sentiam os sitiados.

Bem, a verdade, a fome até grassava entre os sitiantes. Ora os comandantes acreditaram naquela fartura apregoada e levantaram o cerco, seguindo para terras do Reino da Castela, que então já dominava a Galiza! E o estratagema de Deu-la-Deu tornou-se emblemático.
Nos arredores de Monção há penedos com formas singulares, alguns até bem conhecidos, como Penedo da Toca ou o Penedo da Ponte. Pois em Pias há dois penedos que fazem uma ponte entre si e entre ambos passa um carreiro para o monte, lá para os lados de Taias. Pois por esse carreiro meteram duas mulheres que iam trabalhar longe. Ao passarem, uma delas parou a olhar um campo. A outra quis saber o que era e ela mostrou-lhe uma esteira com qualquer coisa em cima. Foram lá. Eram figos. Olharam à volta e não viram ninguém, pelo que cada levou três figos.
Regressadas do trabalho meteram os figos numa gaveta e só se lembraram deles quatro dias depois. Estavam transformados em moedas de ouro. Pois em vez de andarem a contar, guardaram-nas, acreditando que fosse o tesouro encantado de alguma moura....

domingo, 6 de dezembro de 2009

sábado, 5 de dezembro de 2009

ANTÚRIO

Nome científico: Anthurium andraeanum
Nome popular: Antúrio
Família: Araceae
Divisão: Angiospermal
Origem: Colômbia


A flor do antúrio, na verdade, é bem pequena, alcançando o tamanho da cabeça de um alfinete. A parte colorida e exótica, que normalmente achamos que é a flor, na verdade é uma inflorescência, ou seja, o conjunto formado pela espádice - espiga onde brotam as minúsculas flores - e espata do antúrio - a bráctea colorida, ou a folha modificada. As verdadeiras flores do antúrio são os pontinhos amarelos que brotam na espiga
Esta peculiaridade é u, artifício da natureza: quando as flores são pouco significativas, a natureza produz folhas modificadas ou brácteas para atrair insectos e outros agentes polinizadores. Isso também ocorre com as flores do bico-de-papagaio (Euphorbia pulcherrima) e da primavera (Bougainvillea spectabilis), por exemplo.Mas o antúrio não impressiona apenas pela beleza da inflorescência. Suas folhas em formato de coração (codiformes), que variam em tamanho dependendo da espécie, são extremamente exóticas. Em algumas espécies, podem ser até mais atraentes que as inflorescências, bons exemplos disso são o Anthurium crystallium e o Anthurium magnificum que apresentam as nervuras em tons contrastantes, resultando em verdadeiros desenhos nas folhas.Pertencente à família das Aráceas - que reúne cerca de 600 espécies, todas originárias da América tropical - o antúrio é uma das espécies mais famosas da família. Suas espatas podem apresentar cores que vão do mais puro branco até o vermelho intenso, incluindo vários rosa, salmão. verde e até marrom.

Algumas espécies são bem populares na Brasil, como Anthurium andreanum - chamado de "paleta-de-pintor" e o Anthurium scherzeranum, conhecido como "flor-de-flamingo", por apresentar a espádice recurvada, lembrando a formado flamingo.




RIR É O MELHOR REMÉDIO

O Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama, ouviu tanto falar dos alentejanos, que decidiu convidar um grupo deles para visitarem os Estados Unidos.
Mandou o seu próprio avião buscá-los ao Alentejo e prepararam uma grande recepção no hangar presidencial, onde colocaram um grande palanque, com banda, passadeira e cartazes de boas-vindas.
Ao chegar o avião, a banda começa a tocar, os coros a cantar, abre-se a porta do avião, assoma-se a hospedeira e,... nada, dos convidados... nada.
O presidente, descontrolado porque eles não descem, manda o seu secretário investigar.
O secretário regressa, fala com o presidente e diz-lhe: "Senhor, os alentejanos não querem descer porque têm medo do Well"
O presidente não percebe nada e diz-lhe: "Mas... quem é o Well?"

Nos cartazes de boas-vindas dizia: " WELL COME ALENTEJANOS!"



domingo, 29 de novembro de 2009

ADVENT - ADVENTO

Die Geschichte des Adventskranzes

Moment mal. Wieso hat der Kranz denn so viele Kerzen? Auch wir haben gestutzt, als wir das Bild gesehen haben. Und herausgefunden: Das Foto zeigt die Ur-Version eines Adventskranzes, wie er von dem evangelischen Theologen Johann Hinrich Wichern 1829 in der Naehe von Hamburg erfunden wurde. Im „Rauhen Haus“ vor den Toren der Stadt leitete der Kirchenmann ein Waisenhaus. Um seinen Schuetzlingen die Zeit bis zu Weihnachten zu verkuerzen, hatte er die Idee, ein Kutschrad mit Kerzen zu dekorieren: 24 kleine rote fuer die Werktage und 4 grosse weisse fuer die Sonntage. Jeden Abend durfte eines der Kinder eine weitere Kerze anzuenden. Das Kerzenrad kam so gut an, dass es immer mehr Menschen auch zu Hause haben wollten. Aber aus Platzgruenden reduzierten sie die Lichter auf vier Sonntagskerzen. Uebrigens: Erst 1925 wurde in Koeln der erste Adventskranz in einer katholischen Kirche aufgehaengt.


A história da coroa do Advento

Um momento. Porquê tem esta coroa tantas velas? Também nos ficamos surpreendidas quando vimos esta foto. E descobrimos: A foto mostra a primeira versão duma coroa de Advento, inventada pelo teólogo evangélico Johann Hinrich Wichern em 1839. Foi no “Rauhen Haus” as portas da cidade de Hamburgo (Alemanha) onde este homem da igreja dirigiu um orfanato. Para encurtar o tempo até o Natal aos seus protegidos teve a ideia de decorar uma roda de um coche: 24 pequenas velas vermelhas para os dias da semana e 4 grandes velas brancas para os Domingos. Todas as noites uma das crianças podia acender mais uma vela. A roda das velas teve tanto êxito que toda a gente queria ter uma na sua casa. Mas por razões de espaço começaram a reduzir as luzes para 4 velas dos Domingos. Mas só no ano de 1925 foi pendurada a primeira coroa de Advento numa igreja católica em Colónia.

domingo, 22 de novembro de 2009

NOTÍCIA DA SEMANA

França: Casou-se com morto e teve bênção de Sarkozy

Magali Jaskiewicz escolheu o tradicional vestido branco para o seu casamento. A noiva, de 26 anos, chegou à Câmara Municipal de Dommary-Baroncourt, no Leste de França, num carro de luxo. Ali esperava-a o autarca, Christophe Caput. Um apelido que significa "morte" em alemão e só veio acrescentar à morbidez do momento. É que o noivo, Jonathan George, morreu há um ano num acidente e só esteve presente em fotografia. Esta estranha união cumpriu os requisitos legais e teve mesmo a bênção do Presidente Nicolas Sarkozy.
A lei francesa dá, de facto,a possibilidade de realizar um casamento com alguém que já morreu quando o óbito veio impedir uma união consistente. Magali e Jonathan marcaram o casamento a 25 de Novembro de 2008, dois dias antes de o noivo faleceu num acidente mortal.
O casamento não deixou de se realizar, mesmo que o noivo só surgisse sorridente numa fotografia e, claro, na tatuagem que a noiva tem no antebraço direito, feita em sua memória.


Com a expressão "até que a morte nos separa" claramente desadequada, Magali não deixou, contudo, de beijar o noivo -ou a sua fotografia-, num dos momentos mais emocionantes da cerimónia. "Tínhamos sonhado os dois com este momento. Espero que ele tenha gostado da cerimónia, onde quer que se encontre", afirmou Magali aos jornalistas que se juntaram à porta da Câmara de Dommary-Baroncourt, atraídos pelo insólito casamento. "É uma cerimónia alegre e triste ao mesmo tempo", admitiu Magali.
DN - 20.11.2009-

Nota: Caput esvreve-se em alemão: kaputt e significa: avariado, estragado, partido, cansado.

Escrevem as Vossas opiniões sobre este casamento. Eu acho simplesmente ridículo e macabro!

Werngard

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

1º ANIVERSÁRIO DO MIOSOTIS

Faz hoje um ano que criamos o nosso blog. Agradecemos a todos os visitantes, pelo interesse demonstrado, uma vez que já atingimos os 2135. Esperamos continuar a merecer a Vossa atenção.
Helena e Werngard

1º ANIVERSÁRIO DO MIOSOTIS


glitter-graphics.com

domingo, 15 de novembro de 2009

CARNAVAL DO RENO

Quando o Outono é uma festa

Quando a folha cai, a animação sai às ruas, não há a melancolia da estação. Na Alemanha do Reno, do Oeste, de Colónia, Bona, Dusseldórfia, a animação é certa nas ruas como um rio em direcção ao mar. O dia de São Martinho é de castanhas e vinho, mas é também de Carnaval, do "elften elften elf Uhr elf" (onze do onze às 11 e 11 horas).

É no dia 11 de Novembro que começa o Carnaval por aquelas bandas. A tradição é longa (em Colónia remonta a 1341, por exemplo) e a folia, portanto, inesgotável. Reza que não há cidade alemã do Oeste que não tenha a sua princesa e o seu príncipe, duas figuras centrais das coreografias dos cortejos que percorrem as ruas das cidades.
Mas há outras: a virgem, representada ironicamente por um homem, o agricultor. Aqui fala-se mais de Colónia, a cidade mais procurada nesta altura pela longa tradição de um Carnaval que é todo um tratado de sarcasmo e deboche. As figuras principais do corso são o "Dreigestirn" (três estrelas); o "Karnevalsprinz" (o príncipe do Carnaval, designado por algo como "sua loucura"), o "Bauer" (agricultor) e a "Jungfrau" (virgem). Colónia, ao longo dos séculos, foi metamorfoseando uma actividade popular como o Carnaval numa acção cultural de larga escala. É, pela longa história, a capital do "Carnaval do Reno", o rio que atravessa a Alemanha de Sul para Norte pelo Oeste.As figuras atrás descritas são as, digamos, figuras tutelares do Carnaval. Mas depois há a criatividade da ruas, ou seja, das gentes nas ruas. E a actualidade contagia as caracterizações: este ano, as caras taparam-se de máscaras para impedir o contágio pelo vírus da gripe A. É o assunto da actualidade.

Depois do "elften elften elf Uhr elf", assumido apenas como o início das festividades, há réplicas de folia noutras alturas do ano. Sobretudo a 1 e 6 de Janeiro.





terça-feira, 10 de novembro de 2009

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

A QUEDA DO MURO DE BERLIM FAZ HOJE 20 ANOS


Considerando um dos maiores símbolos da Guerra Fria, o muro deixou de existir em 9 de Novembro de 1989.
A queda do muro de Berlim simbolizou o desmoronamento do comunismo na Europa Central e Oriental, que começou na Polônia e na Hungria. Confrontado com o êxodo maciço de sua população para o Ocidente, o Governo da Alemanha Oriental abriu as suas fronteiras.
Foi a reunificação da Alemanha após mais de 40 anos de separação e a sua parte oriental integrada a CEE em Outubro de 1990.
O muro de Berlim foi construído em 13 de Agosto de 1961 em poucas horas e passou a dividir os sectores leste e oeste da cidade.


O MURO em números:

Comprimento total - 155 km
Extensão dentro de Berlim - 43 km
Extensão entre Berlim Ocidental e a Alemanha de Leste - 112 km
Postos de controlo (check points) entre Berlim Leste e Berlim Ocidental - 8
Postos fronteiriços entre as duas Alemanhas - 6
Torres de observação - 302
Bunkers - 20
Número de pessoas que tentaram atravessar - 100 mil
138 pessoas foram oficialmente abatidas pelas patrulhas de guardas comunistas e milhares foram detidas.

domingo, 8 de novembro de 2009

NOTÍCIA DA SEMANA

O fim das neves do Quilimanjaro

Já se sabia que as famosas neves do Quilimanjaro, a maior montanha de África, não são eternas. Mas um estudo apresentado esta semana indica que elas podem desaparecer dentro de pouco mais de dez anos, devido ao aquecimento global.
Se Ernest Hemingway escrevesse "As Neves do Quilimanjaro" em 2022 e não na década de 30 do século passado, Harry Street, personagem central do romance, dificilmente poderia ver o pico com quase seis mil metros de altura pintado de branco.Ao comparar registos do último século, os cientistas chegaram à conclusão que entre 1912 e 2007, o Quilimanjaro perdeu 85% do seu gelo. Ainda mais alarmante, mais de um quarto da neve existente em 2000 já desapareceu e a que resta está mais fina.
Depois de ter resistido mais de 11 mil anos, o gelo do famoso monte africano está agora seriamente ameaçado pelo aquecimento global e pelas mudanças do clima na região, situada entre a Tanzânia e o Quénia. Para se ter uma ideia da gravidade das mudanças climatéricas que atravessamos, nem uma seca que durou três séculos há quatro mil anos causou grande impacto na superfície gelada da montanha. "O facto de tantos glaciares nos trópicos e subtrópicos (como os Andes ou os Himalaias) estarem a sofrer os mesmos efeitos sugere uma causa comum", adianta o líder da equipa de investigação, Lonnie Thompson, citado pelo "Guardian". O professor da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, esclarece ainda que "o aumento das temperaturas junto à superfície, aliado com subidas ainda maiores na atmosfera inferior, documentadas em décadas recentes, pode pelo menos em parte explicar o que está a acontecer em diferentes glaciares".

No caso de um dos glaciares do Quilimanjaro, o Furtwangler,perdeu metade da sua grossura nos últimos nove anos. Segundo Lonnie Thompson, "no futuro haverá um ano em que o Furtwangler ainda existe e no ano seguinte já desapareceu".
Localizado na Tanzânia e com 5892 metros de altura - medidos em Setembro de 2008 por uma equipa liderada pelo português Rui Fernandes, investigador do Centro de Geofísica da Universidade de Lisboa - o Quilimanjaro é um antigo vulcão que se ergue no meio da savana, cenário que atrai 40 mil turistas por ano.

Diário de Notícias -6.11.2009-


sexta-feira, 6 de novembro de 2009

LENDAS DE PORTUGAL - XIII - PALMELA

Em torno da ermida de S. Brás

A ermida de S. Brás já não existe há muitos anos. Hoje está reduzida a uns restos de parede que, para serem identificados, precisam de muita atenção por parte do curioso, que terá meter-se pela estrada de alcatrão que vai de Palmela à Quinta do Anjo. Isto logo adiante e à direita, ultrapassada a estrada de macadame que dá acesso a uns campos. Pois aquelas pedras sobrepostas, com outras acasteladas, foram a tal capelinha que teve a inaugurá-la o rei-poeta D. Dinis e sete bispos portugueses.
Ora do lado da Epístola havia um altar com duas imagens, uma mais destacada. a de Nossa Senhora das Mercês, e outra mais discreta, Santa Susana. Porém, a fama era de ambas serem milagrosas. E há duas coisas mais a acrescentar, que no século XVI, ou um pouco antes, foi anexado um hospital à ermida e no século XVIII, por cima do próprio altar-mor, havia uma pintura de madeira onde estavam pintadas evocações da lenda que a seguir contaremos. Também na sacristia havia.....
Lá iremos. Comecemos é por dizer que naqueles tempos antigos (mas já vemos que depois de D. Dinis, pois se ele inaugurou a ermida...), os mouros aprisionaram um dos mais prestigiados fidalgos de Palmela, O Conde Alberto, e levaram-no para os seus territórios no Norte de África. E aí tudo fizeram para o humilhar, mantendo-o preso com grilhetas a mó de um moinho, obrigando-o a fazê-la rodar.

Porém, em Palmela tinha o conde a esposa e a filha, que viviam na angústia do que lhe estaria a acontecer. E um dia, a jovem, acompanhada da sua mãe, em situação desesperada, dirigiu-se à ermida de S. Brás e, suplicando, lançou-se aos pés de Nossa Senhora das Graças. Natural e docemente, suplicou pela triste sorte do pai. E então viu algo surpreendente. A imagem da Senhora inclinava a cabeça e parecia sorrir, como disposta a atender a prece.
Passado breve tempo, um caçador passou perto da ermida e deu de caras com o Conde Alberto, este ainda preso por um cadeado de ferroa uma pesada mó. Aproximou-se dele e escutou a sua singular aventura. Pois contou-lhe o fidalgo que, como sempre, adormecera na mourama naquela posição e em sonhos lhe apareceu Santa Susana, segurando-o pela mão,levando-o à vista de Nossa Senhora, para lhe agradecer pois ia ser libertado. E ao acordar verificou que se encontrava já em terras de Palmela e ao pé da ermida de S. Brás.Não tardou aparecer ali muito povo da cidade a libertar o fidalgo, fazendo uma rija festa. A família abraçada foi agradecer à Nossa Senhora das Graças e a Santa Susana a libertação do Conde Alberto.E dizia-se lá atrás que na sacristia da ermida estava alguma coisa. Pois era a mó e a grilheta. E a pedra havia sido colocada em pé, levemente inclinada, para quem quisesse meter a cabeça no seu buraco do meio. Corria que quem assim fizesse se libertava de males na cabeça.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

16 Japonesas numa bicicleta - Espectacular!

CAMÉLIA


Classificação científica:
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Ericales
Família: Theaceae
Género: Camellia

Camellia L. é um género de plantas da família Theaceae que produzem as flores conhecidas como camélia (e em algumas regiões de Portugal como japoneiras). O género Camellia inclui muitas plantas ornamentais e a planta do chá.
O género foi descrito pelo naturalista sueco Carl von Linné em sua obra magna Species Plantarum, e batizado em homenagem ao missionário jesuíta Georg Kamel. Algumas espécies deste género pertenciam ao género Thea, mas este epíteto foi sinonimizado com Camellia quando se observou que as Camellias e Thea apresentavam qualquer diferença significativa entre si.

Todas as espécies de Camellia são designadas, na China, pela palavra mandarim "chá", complementada por algum termo que, geralmente, caracteriza seu habitat ou suas peculiaridades morfológicas.
Este género apresenta cerca de 80 espécies nativas das florestas da Índia, Sudeste Asiático, China e Japão. São arbustos ou árvores de porte médio, com folhas coriáceas, escuras, lustrosas, com bordas serrilhadas ou denteadas. Apresentam flores vistosas, brancas, vermelhas, rosadas, matizadas, ou raramente amarelas, algumas tão grandes quanto a palma da mão de uma pessoa adulta, outras tão pequenas quanto uma moeda. Certas espécies exalam suave perfume. Os frutos são cápsulas globosas, que podem variar de tamanho de um amendoim ao de uma maçã, com cerca de 3 sementes esféricas.
Algumas espécies, como C.japonica, C.sasanqua, C.reticulata e C.chrysantha, são cultivadas por sua belas e grandes flores, folhagem densa, escuar e lustrosa, e porte baixo. Estas e outras espécies são intercruzadas para a obtenção de híbridos que reúnem suas melhores qualidades.
A este género ainda pertence a C.sinensis, espécie que cujas folhas se obtém o chá, e cujo comércio movimenta biliões de dólares todos os anos. Outras espécies de Camellia ainda são usadas localmente na Índia e na China como alternativas à C.sinensis para a preparação de chá. Outras produzem um óleo em suas sementes, aproveitado como combustível.As formas mais comerciais são as de flores grandes, com muitas pétalas e estames de cores fortes que variam do branco ao vermelho, com algumas variedades pintalgadas ou manchadas. As camélias amarelas são raras, e são obtidas apenas através da hibridização entre certas espécies. Não há camélias azuis, mas pesquisadores descobriram pigmentos azuis em algumas espécies e actualmente estão tentando isolá-los através de cruzamentos.


As flores das camélias podem ser separadas em 3 categorias:

- Simples: as flores possuem um ciclo de pétalas, estames e pistilo íntegros e normalmente funcionais;
- Semi-dobradas: as flores possuem mais de um ciclo de pétalas, estames e pistilos podem ou não ser transformados em petalóides, mas sempre há alguns estames íntegros, e algumas vezes férteis;
- Dobradas: as flores possuem inúmeros ciclos de pétalas. Todos os estames e o pistilo são convertidos em estruturas petalóides, e as flores são sempre estéreis.

Japão, China e Coreia são os países tradicionalmente líderes na produção de camélias e na obtenção de novas variedades. Curiosamente, a Ítalia, desde o Século XIX, afronta estes países na produção de variedades comerciais, sendo um dos líderes na sua produção no ocidente. Ao todo, existem mais de 3000 tipos diferentes de camélias somente entre as obtidas da espécie Camellia japonica, somando-se a um número total mais alto, com estimativas entre 5000 e 8000 variedades.


quarta-feira, 4 de novembro de 2009

RIR É O MELHOR REMÉDIO

A velhinha
A velhinha subia a rua transportando dois enormes sacos negros, desses que são usados para o lixo. Um deles, roto, deixava de quando em quando cair no chão parte do conteúdo, neste caso notas de 100 Euros.Há um polícia que a interpela. "A senhora tem de ter mais cuidado"disse-lhe o guarda. "É que está a deixar cair dinheiro desse enorme saco...". "Muito obrigada senhor guarda" agradeceu ternamente a velhinha. "Tenho de voltar atrás e apanhar o dinheiro que me caiu...Muito obrigada!".
O polícia, curioso não a liberou de imediato. "Esse saco enorme, cheio de dinheiro, de onde vem? Não é dinheiro roubado, não?".
"Que ideia, senhor guarda! Não!", disse ela quase indignada."Eu moro ali ao lado do estádio de futebol, ali em baixo, sabe?".
O polícia assentiu que sim. "Tenho ali uma casinha com um jardinzinho, umas roseiras, umas buganvílias...". "E os espectadores, à entrada e à saída têm o hábito de se encostar aos arbustos e urinar mesmo em cima dos meus canteiros. De maneira que nos dias de jogo eu escondo-me atrás do muro com a minha tesoura de podar e quando eles estão com o membro de fora eu apareço e digo "Ou me dás cem euros ou corto!".
O polícia riu-se em gargalhadas francas. "Não me parece nada má ideia, sabe?". Preparava-se para deixar a velhinha seguir o seu destino quando lhe perguntou: "Mas e o outro saco, também tem dinheiro?".
"Ah senhor guarda, sabe como é, nem toda a gente paga..."

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

NOTÍCIA DA SEMANA

Maior veleiro do mundo no Algarve

"Royal Clipper": O imponente navio tem cinco mastros, 134 metros de cumprimento e capacidade para 227 pessoas

O porto de cruzeiros de Portimão acolheu o maior veleiro do mundo, o Royal Clipper, antes de atravessar o Atlântico rumo às Caraíbas, onde realizará cruzeiros turísticos até ao final da Primavera de 2010.
O Royal Clipper, que consta do Guiness Book (o livro de recordes mundiais), é um veleiro de cinco mastros com 134 metros de comprimento, tem capacidade para 227 passageiros e 106 tripulantes e é o mais rápido do mundo.
As 42 velas, com uma área de 5,24 metros quadrados, permitem-lhe uma velocidade de mais de 20 nós, sendo os mastros operados por sistemas hidráulicos, orientados a partir da "ponte de comando". Por causa deste sistema, o Royal Clipper não precisa de uma tripulação numerosa para navegar.
Construído em 2000, o veleiro de cinco mil toneladas, propriedade da empresa luxemburguesa Star Clipper, foi inspirado pelo lendário veleiro alemão "Preussen".
Para o comandante Sergey Utitsyn, o Royal Clipper é essencialmente "escolhido por pessoas amantes da vela para a realização de cruzeiros". "Há pessoas que repetem os cruzeiros, só para terem o prazer de viajar no navio".
Diário de notícias -25.10.2009-

domingo, 25 de outubro de 2009

QUADRAS DE ANTÓNIO ALEIXO

Se o meu livro se consome,
pode-me cobrir de glória;
mas depois a minha história
dirá que morri de fome.
***
Por me ver ao abandono,
e ouvindo a minha poesia,
disse-me que eu era dono
de coisas que não sabia.
***
Quem nada tem, nada come;
e ao pé de quem tem comer,
se alguém disser que tem fome,
comete um crime sem querer.
***
Este livro que vos deixo
e que a minha alma ditou
Vos dirá como o aleixo
viveu, sentiu e pensou.
***
Quando começo a cantar,
eu bem quisera agradar;
mas nem sempre sou capaz;
só quando o coração canta,
a minha pobre garganta
faz o que nem sempre faz.
***

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

CHARLIE CHAPLIN -O CIRCO DE 1928-

Este filme é uma raridade!

domingo, 18 de outubro de 2009

ALAIN OULMAN

Músico, editor e resistente

Nasceu no Dafundo, em 1928, filho de uma família com negócios com sede em Lisboa mas projecção além das fronteiras. Cedo manifestou um interesse pelos livros e pela música. Não era contudo esse o rumo que o pai lhe destinara, sobretudo depois de ter perdido um filho na guerra. Alain Oulman acabou por contribuir activamente na gestão dos negócios da família. Mas hoje é essencialmente reconhecido pela obra que deixou na música, na edição livreira, igualmente importante sendo a memória de uma postura de confronto com o regime salazarista da qual chegou a resultar uma ordem de extradição.
Alain Oulman começou por estudar Engenharia Química (e Música) na Suíça. Em Paris, pouco depois, chegou a compor para Yves Montand. Em Nova Iorque, já em inícios dos anos 50, conheceu alguns dos nomes que faziam de Greenwich-Village um centro de agitação musical. A intervenção do pai devolveu-o todavia a Lisboa.
O artista não seria contudo abafado pelo dia-a-dia nos negócios. Em 1960 conhece Amália e com ela colabora num álbum que mudaria para sempre o ruma da sua carreira (e do próprio fado). Recordamo-lo hoje como Busto, e na altura dividiu opiniões. Mais complexos que o habitual, os fados eram inclusivamente descritos pelos músicos que acompanhavam Amália como "operas"... Mas fizeram a diferença.
Nos anos 60 desenvolveu também importante papel no teatro em Lisboa. Ma em 1965 a PIDE descobre que cedera uma casa para reuniões clandestinas da FAP (Frente de Acção Popular). Foi detido. E depois conduzido sob escolta até ao Aeroporto de Lisboa e expulso de Portugal.
Instala-se em Londres com a mulher, e ali nasce o seu primeiro filho. A diplomacia francesa consegue um perdão. E de regresso a Portugal grava com Amália "Com que Voz" (1970), outro dos momentos maiores da sua obra conjunta. Mas acaba por se fixar definitivamente em Paris, trabalhando com o editor Calmann-Levy, em que publica, entre outros, Patricia Highsmith, Amos Oz e o histórico "Portugal Baillonné", de Mário Soares.
Alain Oulman morreu subitamente em 1990, com apenas 61 anos. Um documentário realizado pelo seu próprio filho, exibido esta semana no Doc Lisboa, leva agora a sua vida e obra ao grande ecrã.

NOTÍCIA DA SEMANA

Sado "oferece" 70 mil aves aos visitantes

Portugal quer começar a aproveitar o potencial da várias zonas húmidas do País para promover o mercado da observação de aves, numa altura em que no território existem apenas 3 mil pessoas que se dedicam a este tipo de turismo. Os principais amantes do bird-watching -oriundos dos Estados Unidos da América, Grã-Bretanha e Escandinávia- continuam a preferir os parques naturais sedeados em Espanaha, sobretudo, mas também na Grécia, porque "Portugal ainda não é conhecido", segundo admitem os empresários que começaram a dedicar-se a este ramo de actividade.
Este fim-de-semana vai ser dado um passo na promoção das potencialidades nacionais, através da primeira feira dedicada à observação de aves, que decorre sábado e domingo na Herdade da Mourisca (Faralhão), junto ao célebre Moinho da Maré, em Setúbal, onde os visitantes vão ser alertados para a surpreendente existência de cerca de 70 mil aves, pertencentes a 70 diferentes espécies, só no estuário do Sado.
A organização da primeira "Observanatura" resulta de uma parceria entre o Instituto da Conservação da natureza e da Biodiversidade (ICNB) e a reserva Natural do Estuário do Sado (RNES). As pessoas vão ser convidadas a passear a bordo de embarcações rumo aos habitats de flamingos -a pernalta cor-de-rosa que chega a apresentar populações superiores a 500 efectivos-, cruzando-se ainda com maçaricos, pilritos, garças, gaivotas, corvos marinhos e águias pesqueiras. Mas a oferta é muito maior.

"Esta é uma altura em que temos aqui várias aves migratórias, que se preparam para passar o Inverno. Vão ficar por cá até Janeiro", revela o ornitólogo da INCB Vitor Encarnação, admitindo residir aqui "grande potencial de negócio", dado que, embora existam zonas húmidas na Europa que reúnem mais mediatismo, como o Parque de Dona Ana (Espanha), "nós temos espécies, que chegam de norte de África, que só podem ser vistas aqui".
O Sado será um dos locais privilegiados para a prática de bird-watching, o que leva o ICNB a admitir vir a investir na melhoria dos vários cais de embarque do estuário, embora João Jara, proprietário da Birds & Nature, uma empresa de Lisboa -parceira do certame- que se dedica exclusivamente à observação de aves, admita que a existência de outros locais nas proximidades deste rio seja "outra grande mais-valia".
João Jara explica que o facto de o rio Tejo ou a ria Formosa (Algarve) se encontrarem num raio de cem a 200 quilómetros permite criar roteiros turísticos que seriam inviáveis noutros países, devido às longas distâncias que seria necessário percorrer entre os vários parques.

Diário de Notícias -16.10.2009-

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

LENDAS DE PORTUGAL - XII - ÁGUEDA

O diabo do Alfusqueiro

Nem sempre o Demo leva a melhor com o Homem, sobretudo se este tiver a ajudazinha de uma fada. Pois esta é a lenda daquela velha ponte de cantaria sobre o Alfusqueiro, afluente do Rio Águeda, no Caramulo. Poderiamos até dizer que é de um tempo em que o diabo ainda precisava de andar pela terra a negociar almas. Assim, se aquela passagem era imprescindível para os que atravessaram a serrania, meteu-se um cristão a fazê-la, mas na hora da arrancada deu-se conta da temeridade que a obra envolvia. Eis, surge-lhe o Diabo em pessoa a dizer-lhe que ele mesmo se encarregaria de fazer a ponte, ele e os seus demónios. Porém, havia a questão do pagamento. Pois este consistiria na alma do cristão. A obra ficaria pronta à meia-noite do dia de Natal desse ano, ao cantar do galo. Contrato escrito, foi este assinado com o próprio sangue do homem.
Mas o cristão, conforme via o andamento da obra, aliás de magnifica arquitectura, começava a ficar pesaroso do negócio que fizera. E a quem aparece o Diabo porque não há-de aparecer uma fada boa? Foi o que terá acontecido. Uma fada esperta ensinou ao homem maneira de se livrar do compromisso, não deixando de ficar com a ponte feita! Neste sentido, a fada deu ao cristão um ovo e disse-lhe:
"A obra ficará pronta à meia-noite em ponto. Está atento aos últimos trabalhos e logo que vejas o Diabo colocar a última pedra, atira o ovo pela ponte fora e vais ver que tudo corre bem."
E conta a lenda que quando o Diabo e os seus demónios estavam a colocar a pedra do remate, o cristão atirou o ovo ao longo do tabuleiro da ponte e este rolou até que bateu numa pedra e se quebrou. De dentro dele saiu um belo galo, excelente de plumagem, que começou logo a cantar, antecipando a meia-noite. E assim, por segundos, o Diabo do Alfusqueiro perdeu a aposta. E sabem que mais? A ponte lá está, podem ir experimenta-la num passeio por aquelas bandas aquedenses da Serra do Caramulo. O Diabo dizem que deu um estoiro tal que nunca mais por ali passou!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

AMÁLIA 1920-1999 - 10 ANOS DE SAUDADE

DAHLIA

Classificação científica:
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Género: Dahlia

Dahlia, nome comum dália, é um género botânico pertencente à família Asteraceae. É uma herbácea de porte médio, perene. Quando adulta, a planta chega a atingir até 1,50 m.
É originária do México, onde é muito popular. Os índios daquela região foram os primeiros a cultivar dálias, ainda no período do império Asteca. Por volta do final do século XVIII, o director do Jardim Botânico de Madri encantou-se com a flor, durante uma visita ao México. Foi o suficiente para que a dália atravessasse o oceano e chegasse à Europa, onde se adaptou muito bem ao clima temperado.
Foi o botânico sueco A. Dahl, responsável pela expansão das dálias pela região nórdica da Europa, que inspirou o nome da flor.Os holandeses e os franceses foram os maiores incentivadores do cultivo e da produção de inúmeras espécies híbridas de dálias. Foi a imigração holandesa que contribuiu muito para a propagação desta flor no Brasil.
Hoje, graças ao surgimento de vários híbridos, podemos encontrar diversos tipos de dálias, o que resulta numa grande variedade de forma (pompom, bola, decorativa, etc.) e cores (branca, alaranjada, vermelha, amarela, pink). São mais de três mil variedades resultantes de cruzamentos com outras espécies, como os crisântemos, por exemplo.

sábado, 26 de setembro de 2009

FESTA DA CERVEJA

Foram precisas duas marteladas do presidente da câmara na rolha do tonel para a cerveja começar a correr. Com o grito "Ozapft is", Christian Ud abriu a famosa Oktoberfest, a festa da cerveja de Munique. O festival começou sábado e dura 16 dias. Cerca de seis milhões de litros de cerveja esperam por seis milhões de ávidos visitantes. Esta é a 176º edição da festa que se realizou pela primeira vez há 199 anos, em honra do príncipe da Baviera e só foi interrompida nos anos de guerra. A folia é a palavra de ordem mas... com limites. Preocupada com a imagem de excessos, a organização proibiu as fotografias de bêbedos e de mulheres seminuas.
Diário de Notícias -22.09.2009-

domingo, 20 de setembro de 2009

NOTÍCIA DA SEMANA

Limpeza do fundo do mar revela bicicleta e gerador submarinos

Algarve: Dia Internacional da Limpeza foi ontem assinalado com faxina em praias e no fundo do oceano. Mil quilos de lixo removidos.

A manhã na praia de Quarteira foi de grande azáfama. Mais de 60 pessoas, na praia e no mar, juntaram-se com o objectivo comum de preservar um bem que é de todos, no Dia Internacional da Limpeza 2009. Uma manhã chegou para retirar cerca de mil quilos de lixo: redes, pneus e muitas garrafas. Mas as maiores surpresas estavam guardadas no fundo do mar: uma bicicleta e um gerador.
"O objecto que sobressaiu mais foi uma bicicleta e um gerador, o resto foi plásticos e outras coisas mais", explicou Felizardo Pinto, membro do Centro de Mergulho que organizou o evento em parceria com a junta de freguesia e a Câmara de Loulé.
Do Sotavento ao Barlavento Algarvio, as iniciativas multiplicaram-se. Na praia dos Caneiros, no concelho de Lagoa, foram mais de cem as pessoas que se uniram para limpar arribas, praia e fundo do mar. Dos mais pequenos aos maiores, puseram mãos à obra para recolher todo género de objectos. "Existe muito lixo, mesmo em praias onde se realizam limpezas quase diárias, mas mesmo assim acabamos por deixar muitos resíduos nas praias. É necessário consciencializar as pessoas que isto é de todos nós e todos devemos participar", explicou Nuno Monteiro da Portisub que, conjuntamente com a autarquia, organizou a limpeza.
E consciência é o que não pareceu faltar aos voluntários que em pouco mais de duas horas juntaram quase 200 quilos de lixo. Carla Correia percorreu o areal com três sobrinhos para tentar incutir esta mensagem pedagógica. Tomé Correia, com seis anos, foi um dos ajudantes da tia Carla. "Ando aqui a apanhar lixo porque as pessoas atiram lixo para o chão. Já apanhámos copos, cigarros, papéis". Com apenas três anos, também Violeta Santos pôs mãos à obra. No final todo o lixo foi pesado e os participantes receberam uma T-shirt e um certificado de presença.
Diário de Notícias -20.09.2009-

sábado, 19 de setembro de 2009

A MENINA E O PÁSSARO ENCANTADO

Era uma vez uma menina que tinha um pássaro como seu melhor amigo. Ele era um pássaro diferente de todos os demais: Era encantado. Os pássaros comuns, se a porta da gaiola estiver aberta, vão embora para nunca mais voltar.Mas o pássaro da menina voava livre e vinha quando sentia saudades...Suas penas também eram diferentes. Mudavam de cor. Eram sempre pintadas pelas cores dos lugares estranhos e longínquos por onde voava.Certa vez, voltou totalmente branco, cauda enorme de plumas fofas como o algodão."- Menina, eu venho de montanhas frias e cobertas de neve, tudo maravilhosamente branco e puro, brilhando sob a luz da lua, nada se ouvindo a não ser o barulho do vento que faz estalar o gelo que cobre os galhos das árvores. Trouxe, nas minhas penas, um pouco de encanto que eu vi, como presente para você...".E assim ele começava a cantar as canções e as estórias daquele mundo que a menina nunca vira. Até que ela adormecia, e sonhava que voava nas asas do pássaro.Outra vez voltou vermelho como fogo, penacho dourado na cabeça."... Venho de uma terra queimada pela seca, terra quente e sem água, onde os grandes, os pequenos e os bichos sofrem a tristeza do sol que não se apaga.Minhas penas ficaram como aquele sol e eu trago canções tristes daqueles que gostariam de ouvir o barulho das cachoeiras e ver a beleza dos campos verdes.E de novo começavam as estórias.A menina amava aquele pássaro e podia ouvi-lo sem parar, dia após dia. E o pássaro amava a menina, e por isso voltava sempre.Mas chegava sempre uma hora de tristeza."- Tenho que ir", ele dizia."- Por favor não vá, fico tão triste, terei saudades e vou chorar...."."- Eu também terei saudades", dizia o pássaro. "-- Eu também vou chorar.Mas eu vou lhe contar um segredo: As plantas precisam da água, nós precisamos do ar, os peixes precisam dos rios... E o meu encanto precisa da saudade. É aquela tristeza, na espera da volta, que faz com que minhas penas fiquem bonitas. Se eu não for, não haverá saudades.Eu deixarei de ser um pássaro encantado e você deixará de me amar.Assim ele partiu. A menina sozinha, chorava de tristeza à noite. Imaginando se o pássaro voltaria. E foi numa destas noites que ela teve uma ideia malvada."- Se eu o prender numa gaiola, ele nunca mais partirá; será meu para sempre. Nunca mais terei saudades, e ficarei feliz".Com estes pensamentos comprou uma linda gaiola, própria para um pássaro que se ama muito. E ficou à espera.Finalmente ele chegou, maravilhoso, com suas novas cores, com estórias diferentes para contar.Cansado da viagem, adormeceu.Foi então que a menina, cuidadosamente, para que ele não acordasse, o prendeu na gaiola para que ele nunca mais a abandonasse. E adormeceu feliz.Foi acordar de madrugada, com um gemido triste do pássaro."- Ah! Menina... Que é que você fez? Quebrou-se o encanto. Minhas penas ficarão feias e eu me esquecerei das estórias...".Sem a saudade, o amor irá embora...A menina não acreditou. Pensou que ele acabaria por se acostumar. Mas isto não aconteceu. O tempo ia passando, e o pássaro ia ficando diferente.Caíram suas plumas, os vermelhos, os verdes e os azuis das penas transformaram-se num cinzento triste. E veio o silêncio; deixou de cantar.Também a menina se entristeceu. Não, aquele não era o pássaro que ela amava.E de noite ela chorava pensando naquilo que havia feito ao seu amigo...Até que não mais aguentou.Abriu a porta da gaiola."- Pode ir, pássaro, volte quando quiser..."."- Obrigado, menina. É, eu tenho que partir. É preciso partir para que a saudade chegue e eu tenha vontade de voltar. Longe, na saudade, muitas coisas boas começam a crescer dentro da gente. Sempre que você ficar com saudades, eu ficarei mais bonito.Sempre que eu ficar com saudades, você ficará mais bonita. E você se enfeitará para me esperar...E partiu. Voou que voou para lugares distantes. A menina contava os dias, e cada dia que passava a saudade crescia."- Que bom, pensava ela, meu pássaro está ficando encantado de novo...".E ela ia ao guarda-roupa, escolher os vestidos; e penteava seus cabelos, colocava flores nos vasos..."- Nunca se sabe. Pode ser que ele volte hoje...Sem que ela percebesse, o mundo inteiro foi ficando encantado como o pássaro.Porque em algum lugar ele deveria estar voando. De algum lugar ele haveria de voltar.AH! Mundo maravilhoso que guarda em algum lugar secreto o pássaro encantado que se ama...E foi assim que ela, cada noite ia para a cama, triste de saudade, mas feliz com o pensamento.- Quem sabe ele voltará amanhã....E assim dormia e sonhava com a alegria do reencontro.
Rubem Alves

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

ISTO É ACROBACIA!

LENDAS DE PORTUGAL - XI - ALMEIRIM

A sopa de pedra
A lenda que corresponde a Almeirim tem a particularidade de ser raras cuja repercussão atravessou o tempo e ainda hoje nos senta à mesa, água na boca, colher na mão, para um saboreio a preceito. Seja, trata-se de uma festa mitográfica carregada de actualidade. Eis, pois, a sopa de pedra. Especialidade desta terra, a lenda enquadra-se num frade que tinha tanto de esfomeado -e não de comilão, como por aí se diz - como de imaginativo.
Andava o frade no seu peditório e foi bater ao portão de um lavrador, onde esperava matar a fome. Porém, o lavrador era demasiado avarento e nada lhe quis dar. Não perdendo a bonomia, o frade disse:
-Bem, então vou ver se faço um caldinho de pedra...
Dito isto, baixou-se pegou numa pedra, deitou-a fora, depois noutra, até que encontrou uma que pareceu agradar-lhe. O lavrador e a mulher, que entretanto acudira, observavam-no com atenção. A princípio, o casal riu-se, mas o frade encarou-os e perguntou:
-Nunca comeram caldo de pedra, pois não? É um petisco de truz!
Curiosos, os lavradores dispuseram-se a apreciar. Então, ele pediu-lhes emprestado uma panela de barro, que encheu de água e nela meteu a pedra bem lavada.
-Se me deixassem pôr isto a cozer aí à lareira...
E quando a panela começou a chiar, o frade comentou:
-Com um pedacinho de unto, ficava um primor!
Veio o unto. Depois pediu sal para matar o insosso.
-Com um nadinha de chouriço é que isto ganhava graça!
Depois pediu feijão encarnado, umas batatinhas, e tudo ia para a panela, donde saía um cheiro de aguçar o apetite a um morto. Os lavradores, aparvalhados, apreciavam o cozinhado e o frade lambia os beiços.
-E ficará bom?- perguntava o lavrador.
-Não se nota só pelo cheiro?- respondia o frade.
A mulher do lavrador anotava tudo num papel, que não conhecia a receita. O frade tirou a panela do lume e serviu-se numa malga que também lhe emprestaram. Em três malgas bem saboreadas, o espertalhão despejou a panela. O lavrador e a mulher foram espreitar e viram a pedra no fundo.
-E a pedra, ó fradinho?
-Ora, a pedra... lavo-a e vai no alforge para servir outra vez...

terça-feira, 8 de setembro de 2009

CARDO

Classificação científica:
Reino: Plantae
Filo: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Género: Cynara
Espécie: C. cardunculus

O cardo pertence à família das Asteraceae e cresce em locais rochosos, sobretudo com terrenos barrentos, podendo ser encontrado na forma selvagem ou cultivada em Portugal, nas zonas meridionais e ocidentais do mar Mediterrâneo, no norte da África, nos arquipélagos da Madeira e das Canárias e na Argentina.Seu caule é lanoso e varia entre 20-100 cm; as folhas são verdes na página superior e brancas na página inferior, podendo ter dimensões até 50x35 cm; o invólucro, de forma globoso-ovóide e com 45-60x40-55 mm, é composto por brácteas ovadas terminadas num espinho com 10-50x2-3 mm; a corola é violeta.
Aplicações
De todas as espécies do género Cynara, apenas C. cardunculus spp. flavescens (cardo) é referida como sendo usada no fabrico de queijo. Contudo, tanto C. humilis como C. scolymus (agora C. cardunculus spp. scolymus (alcachofra)) mostraram possuir actividade coagulante.
As flores são colhidas quando a planta começa a ficar senescente, isto é, durante os meses de Junho e Julho, sendo armazenadas em locais secos de forma a serem usadas na coagulação de leite durante o Outona e o Inverno. A propriedade coagulante de leite da planta deve-se à presença de três proteases (ciprozinas 1, 2 e 3) produzidas na flor, principalmente nas pétalas e nos pistilos.
Em Espanha, usa-se muito o talo do cardo na alimentação. Este é cozido e depois misturado com outros ingredientes.
Etimologia
Cardo deriva do latim cardùus, que significa "fazer sinal com a cabeça", em alusão à flor de forma ovóide apoiada no caule oscilante.

sábado, 5 de setembro de 2009

Poema dum poeta algarvio

Minha terra embalada pelas ondas,
Lindo país de mouras encantadas,
Onde o amor tece lendas e onde as fadas
Em castelos de lua dançam rondas...

Oh meu Algarve, quero que me escondas...
Que na treva da morte haja alvoradas!
Hei-de sonhar com moiras encantadas,
Se eu dormir embalado pelas ondas...

Quando o sol emergir detrás da serra,
Sempre será... da minha terra
A fecundar-me o chão da sepultura...

Ao pé dos meus, na minha aldeia querida,
A morte será quase uma ventura,
A morte será quase como a vida...

(Francisco Xavier Cândido Guerreiro)

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

ATUM É REI NO ALGARVE

Até há bem poucos anos o atum era um peixe pouco utilizado pelos profissionais de cozinha, com excepção de algumas regiões, como a Madeira, os Açores e o Algarve. Nesses locais, fazendo jus às tradições, existem algumas especialidades como os célebres bifes de atum em cebolada, a salada de estopeta, os bifes de atum com tomate do Algarve e alguns pratos tradicionais como o atum assado, atum de escabeche, atum salpresado, atum de São João ou muxama (lombos de atum salgados e secos), chouriço e ova de atum, estopeta (tiras salgadas sujeitas a lavagem na altura do consume), tarantelo (faixa longitudinal acima da barriga) ou salame de atum.

Sem dúvida alguma que nos nossos dias o atum é um peixe nobre e nos últimos anos está a ser cada vez mais inserido na cadeia alimentar pela mão dos chefes de cozinha nacionais e estrangeiros.
O atum fresco está a ganhar cada vez mais adeptos, baseando-se nas receitas tradicionais portuguesas e nas novas tendências das cozinhas japonesa e coreana.
O Algarve chegou a ter cem fábricas de conservas de atum, mas hoje as que estão activas contam-se pelos dedos de uma mão.
O Algarve acolhe com orgulho o Museu da Pesca do Atum, em Tavira, localizado no interior do Hotel Vila Galé Albacora, a funcionar desde o ano 2000 no antigo Arraial Ferreira Neto (estrutura de apoio às armações de pesca, nomeadamente do atum, localizada nas Quatro Águas).
Enfim, um peixe que carrega nas suas guelras um mundo de recordações.

Viva o Thunnus thynnus!